Translate

Monday, October 16, 2006

Entre samaúmas e cerejeiras

Josette Lassance,

Outubro, 2006


Vivenciar este período, outubro, pleno calor, no ar, uma atmosfera distante do que poderia parecer primavera, mais precisamente o outono, já não podemos passar despercebidamente por uma mudança na pequena mostra de nossa floresta: as samaumeiras, que aparentemente em flor, com suas sementes aladas viajando por além da rodovia acabam por parecer um espetáculo de flores.

Não podemos captar com os mesmos olhos, os rituais de apreciação, como os japoneses em seu hanami, nada que nos faça cortar em nossas rotinas, onde não paramos, exceto forjados por um engarrafamento impune, o que nos divide em algumas imagens sobrepostas de um visual japonês e uma rua fragmentada.

Até mesmo porque as cerejeiras só florescem uma vez ao ano e dura cerca de uma semana. Suas folhas se vão com a chegada do outono. Enquanto isso, as samaumeiras cumprem o seu ciclo. E fornecem algum agrado para os pássaros gritarem.

Vi o semblante no centro da pista: o gramado bem aparado, as sementes aladas, cobrindo-lhes o chão, como um tapete esbranquiçado. Gostaria que brotasse dali uma “pequena-grande” floresta de samaúmas, e se fizesse um parque no centro da rua para nos alimentar de verde e sombra, nesses verões tão secos. Mas a arquitetura não comporta tal sistema, e um árido tapete, banhado por intermitentes mangueiras de um carro pipa, se expõe como receptor dos raios solares, e se espalha pelos capôs pintados a tintas industriais dos automóveis modernos.

Ao contrário de uma floresta, a cidade cria corpos que se dispersam entre pequenos blocos de concreto, e simulam minusculamente uma sintonia fora de forma, encruzilhada, entre antenas de tv e instalações elétricas; nenhum quintal, nenhuma rosa sequer num vaso de janela, ou sinal de que se possa usufruir um jardim, exceto pelas ervas daninhas nascendo entre as rachaduras das mal formadas calçadas.

Mas a centenária árvore dá seus frutos, pelo menos joga ao acaso entre as facetas urbanas, suas “flores” mal dormidas que mimetizam uma singela imagem distorcida de uma suposta cerejeira, tal qual num outro lado do planeta surge entre a primavera, encantando pessoas apressadas.

Que não seja o caminho do Samurai, esse percurso cíclico o qual eu faço todos os dias pela BR, segundo, o escritor Inazo Nitobe, em referência ao período das guerras, quando a morte espreitava a qualquer momento. Não deixa de existir essa sensação do efêmero, dada a conduta diária de uma rodovia tão turbulenta, causar diariamente tantas mortes.

Vejo da janela do carro, sem correr mais o risco de entrar no passado e reviver o trajeto de um trem que interligava nossa cidade aos interiores, o passar de uma florada em intensa vida, coexistindo asfalto, poeira, fumaça e o sonho de se comemorar a passagem com um sorriso imaginário, entre sakurás e samaúmas.

Para os antigos samurais, não havia glória maior do que morrer num campo de batalha coberto de pétalas de cerejeira, ao contrário dos transeuntes, que desapercebidos das sementes, enxergam apenas seus caminhos, impostos pelo calor e a agonia de um verão seco.

3 comments:

Anonymous said...

Adorei poeta!!! Você sempre escreve coisas que a gente sente na pele...
beijos!
(www.fotolog.com/alessandromaia)

enleio said...

ah como eu queria ver 'samaumeiras cumprindo o seu ciclo.'

Rosilene Cordeiro said...

Linda, qu prazer te rever por qui!!
Lembra A Rose, do Curso de Espeilização UEPA?rsrs Olha quero te pedir pra adicionar teu blog nos meus indicados e te contar que meu grupo estará apresentando performance poética no ENEARTE 2008, aqui em Belém na próxima semana. Aí vai nosso blog e assim que puder manda teus contatos, ok?
Não quer + t perder de vista.
Merda pra nós... sabes que adoro tua escrita!!
Divulgo teus contos entre meus amigos + criteriosos.
Beijo grande.
Rosilene Cordeiro(8847-3577)

CLAMA, DECLAMA, RECLAMA.
www.clamapoesia.blogspot.com